Veja quais cuidados necessários no plantio de milho para silagem

Seguro agrícola
milho para silagem

A produção de milho para silagem depende de vários fatores para oferecer os melhores resultados. Assim, tanto a qualidade nutricional do material produzido quanto a quantidade de silagem necessária para o gado são objetivos que devem ser perseguidos.

Para isso, alguns cuidados precisam ser considerados para que a lavoura responda adequadamente atendendo às expectativas de produção. Nesse sentido, o preparo do solo e a definição do melhor cultivo fazem parte, entre outras, das escolhas que deverão ser feitas.

Continue a leitura e veja quais os cuidados necessários no plantio de milho para silagem!

Defina a área de cultivo

Antes de qualquer iniciativa, deve ser definida a área em que será cultivado o milho para a silagem na propriedade. Essa é uma importante medida para o planejamento, uma vez que é estratégica em razão de alguns fatores.

Tamanho da área

O tamanho da área a ser utilizado para o plantio do milho se dá em função da necessidade de silagem. Assim, é preciso saber a quantidade de material que deverá ser levada para o silo e, com base na produtividade esperada, define-se a extensão necessária.

Topografia e desenho dos talhões

Leva-se em conta a topografia do terreno e, do mesmo modo, os formatos dos talhões em razão das operações mecanizadas. Nesse sentido, áreas com desenhos mais regulares e com menos inclinação no terreno facilitam o manejo das máquinas, o que se traduz em um melhor rendimento das operações.

Localização

Quanto mais próxima a área de cultivo estiver dos silos que receberão a produção, menores os custos com transporte e mais eficientes as operações. Assim, sempre que possível, as áreas nas proximidades dos silos, desde que atendam aos aspectos apontados, devem ser privilegiadas para a produção.

Fertilidade

A fertilidade do solo é parte essencial no manejo dos custos de produção, uma vez que áreas mais férteis, potencialmente, produzem mais. No entanto, terrenos com menor fertilidade também podem produzir bem, mas necessitarão de mais investimentos em adubação.

Realize um bom preparo do solo

Um bom preparo requer, antes, uma análise do solo para verificar a condição de fertilidade, de acidez e de matéria orgânica, entre outras. Trata-se de uma medida muito barata (você não vai precisar de crédito agrícola para isso) entre os trabalhos de produção, mas de grande importância para orientar as ações.

Pode ser que, em razão dos resultados da análise, haja necessidade de correção da acidez do solo. A aplicação de calcário ou de gesso se faz com alguma antecedência, antes das principais operações mecânicas de preparo.

Essencialmente, existem dois caminhos que podem ser seguidos nesse momento: o preparo do solo tradicional e o plantio direto.

Preparo do solo tradicional

O preparo do solo tradicional, de modo geral, consiste em uma operação de aração (uso do arado) seguida por duas gradagens (uso da grade). Isso quase sempre é o suficiente para deixar o solo em boas condições de receber o plantio.

Plantio direto

O plantio direto, por sua vez, consiste em plantar diretamente sobre a palhada do milho colhido anteriormente e deixada no solo, ou de outra cultura conduzida antes do milho. Requer maior orientação técnica profissional, assim como maquinário apropriado, mas representa um ganho significativo em termos de conservação do solo.

Escolha entre cultivares mais adequados

A opção por um cultivo mais adequado dentre os disponíveis no mercado é essencial para a obtenção de alta produtividade. Do mesmo modo, uma silagem de boa qualidade obtida no final do processo também pode ser afetada pela escolha do híbrido mais adaptado às condições locais.

Para esse fim, devem ser consideradas algumas características, como:

  • adaptação às condições de solo e de clima local;
  • adaptação à época de cultivo;
  • produtividade de matéria seca;
  • resistência às principais pragas e doenças;
  • resistência ao acamamento;
  • pouco stay green (tendência a continuar verde, mesmo após o enchimento dos grãos);
  • tamanho e profundidade dos grãos;
  • alta digestibilidade das fibras.

A possível diferença de preço de uma cultivar que ofereça o máximo de qualidades desejadas para outras mais baratas é significativamente compensada com os resultados obtidos. Assim, vale investir na semente adequada, pois a produtividade e o resultado nutricional obtidos serão vantajosos, como na escolha dos melhores insumos.

Plante na época certa

O plantio do milho para silagem deve ocorrer de modo que a planta consiga se desenvolver em período de maior insolação e maiores disponibilidades de chuva. Assim, o verão, de modo geral, é a época mais adequada para o cultivo.

Nesse sentido, considere que a colheita para o fim de silagem se faz com cerca de 100 dias do plantio. Com essa idade, os grãos devem estar com teores de umidade entre 33% e 37%.

De todo modo, as temperaturas ideais para a germinação das sementes estão em torno de 25ºC a 30ºC. Dessa forma, em regiões frias, deve ser considerada a adequação ao clima local.

Um importante aspecto a ser levado em conta na definição da época do plantio é a capacidade de colheita disponível na propriedade. Se os trabalhos exigirem mais que 10 dias de colheita e preparo do silo (comum em grandes áreas), devem ser consideradas duas hipóteses:

  • plantar cultivares de ciclos diferentes: desse modo, o plantio é sequencial, na mesma época, apenas diferenciando o tempo de colher (ciclo curto e ciclo longo);
  • utilizar a mesma cultivar: nesse caso, o plantio deverá ser escalonado, de modo a existir um intervalo entre diferentes áreas de cultivo.

Utilize adensamento adequado

A quantidade de plantas por área de cultivo é um importante ponto a ser levado em consideração. Como o que se pretende é a maior quantidade de matéria seca, a população de plantas deve ser aumentada em relação ao cultivo para a produção de grãos.

No entanto, esse aumento apresenta um limite a partir do qual maiores populações passam a apresentar perdas na qualidade da silagem. Um número normalmente aceito é 4 mil plantas a mais por hectare comparado com o cultivo para grãos.

No planejamento da densidade de plantio, é preciso tomar como referência a capacidade da ensiladeira de se adequar ao tamanho das ruas (entrelinhas de cultivo). Do mesmo modo, logo no início do plantio, é preciso checar a regulagem da plantadeira e conferir, no campo, se a quantidade de sementes lançada está adequada ao que foi planejado.

Esses, enfim, constituem os cuidados para uma boa produção de milho para silagem de qualidade, assim como para se evitar uma quebra de safra para o silo. Observando essas dicas, a produção atenderá às expectativas e você terá bons resultados.

Gostou do artigo? Use sua experiência e deixe um comentário sobre o conteúdo apresentado neste texto.