Gestão financeira pessoal: saiba qual a importância e como fazer

Seguro de acidentes pessoais
gestão financeira pessoal

Com certeza, você já deve ter ouvido alguém reclamando que o dinheiro acabou antes de o mês terminar. Talvez isso já tenha acontecido até mesmo com você, mas sabe por que essa situação é tão comum? Na maioria das vezes, ela está relacionada com a falta de gestão financeira pessoal.

Não são apenas as empresas que precisam controlar suas finanças. É muito importante que você também conheça os seus gastos, saiba exatamente qual é a sua renda e o valor que tem disponível todo mês para gastar ou investir.

Porém, a gestão de finanças não é um hábito arraigado aos costumes do brasileiro, então, nem todo mundo sabe como fazer do jeito certo, e foi pensando nisso que preparamos este artigo. Continue lendo para entender a importância de controlar o seu dinheiro e veja algumas dicas de como fazer essa gestão de maneira simples e eficaz.

O que é gestão financeira pessoal?

A gestão financeira consiste em conhecer os seus gastos e a sua renda para poder se planejar e tomar melhores decisões de como investir o seu dinheiro. Em resumo, trata-se de ter em mente quanto você ganha e quanto gasta por mês, a fim de saber qual é o valor real que tem disponível para fazer novos investimentos.

O controle das finanças é uma prática essencial para o sucesso das empresas, mas não somente delas. Infelizmente, o brasileiro não tem, em sua cultura, o hábito de fazer o gerenciamento do seu próprio dinheiro, mas isso é fundamental para evitar ficar no vermelho, acumulando contas em excesso e gastando com o que não é necessário.

Por meio da gestão financeira pessoal, você consegue saber exatamente para onde está indo o seu dinheiro, visualizando quais são os gastos supérfluos e excessivos que podem atrapalhar o seu crescimento.

É muito comum que o dinheiro acabe sem percebermos para onde ele foi. Isso acontece justamente porque gastamos um pouquinho ali, um pouquinho aqui e, no final das contas, soma um grande valor.

Perceba que não estamos dizendo que você não deve gastar com as coisas de que gosta e nem mesmo fazer grandes privações. No entanto, é importante que esteja ciente de quanto pode investir nesse sentido, e isso somente é possível se você fizer uma boa gestão das suas finanças.

Como fazer uma boa gestão financeira pessoal?

Algumas pessoas fazem o registro das contas que precisam pagar todo mês. Esse é um bom começo, mas não é apenas assim que se faz uma gestão financeira pessoal eficaz. Essa é uma parte dela, porque, para que você possa usar o seu dinheiro de forma inteligente, é importante observar outros fatores também.

A seguir, deixamos algumas dicas para você controlar suas finanças de maneira eficaz e aproveitar a sua renda da melhor forma possível, sem deixar nenhuma conta essencial para trás e, mesmo assim, tendo um valor para investir naquilo de que precisa ou deseja.

Crie um controle mensal

Se você ainda não faz parte do grupo de pessoas que têm uma planilha de gastos, então, está na hora de criar a sua. Como dissemos, esse é o começo para fazer a sua gestão financeira pessoal, porque você deve saber quanto exatamente ganha e para onde o seu dinheiro está indo.

Não é difícil fazer esse controle. Você só precisa relacionar todas as suas fontes de renda, para conhecer o seu ganho líquido, e registrar os seus gastos, para conhecer a diferença entre os dois. Não importa se você usará uma planilha, um programa ou um caderno. O importante é fazer esses registros e esse cálculo.

Registre todas as movimentações financeiras

No entanto, as contas fixas não são os únicos gastos que temos todos os meses, certo? Também fazemos compras no supermercado e na farmácia, almoçamos fora, abastecemos o carro, e assim por diante. Esses custos são variáveis, mas também precisam fazer parte do seu controle, então, devem ser registrados.

É importante que você adquira o hábito de anotar as suas movimentações financeiras para que possa saber onde foi parar o valor restante. Procure ser disciplinado e rigoroso anotando até mesmo aquele cafezinho na padaria, porque se você toma esse cafezinho todos os dias, perceberá o impacto que ele causa em suas finanças.

Reserve dinheiro para despesas anuais

Todos os anos, temos contas, como IPTU, IPVA e DPVAT, entre outras, das quais não há como fugir. É muito comum vermos as pessoas reclamando desses gastos, mas eles não pesariam tanto assim no bolso se houvesse uma reserva específica.

Se você já sabe que, em janeiro, precisará pagar, por exemplo, R$ 1.000 de IPVA, então, divida esse valor por 12, 11 ou 10 para guardar um pouco todos os meses. Dessa forma, entrará um valor a mais em seus gastos fixos, porém, você não terá um desfalque grande e nem precisará fazer contas no início do ano para cumprir seus compromissos.

Defina metas e objetivos financeiros

Você já teve a sensação de trabalhar apenas para pagar contas? Isso acontece com muita gente, mas, na verdade, não precisa ser assim, porque, se você definir metas e objetivos financeiros, conseguirá fazer o seu dinheiro render mais.

Sabe aquele valor que você costuma gastar para almoçar no restaurante? Por que não evitar esse hábito para, no final do ano, fazer uma viagem? Talvez você queira comprar um celular e trocar de carro ou casa. Para que isso seja possível, basta definir como meta e incluir em seu controle, encontrando formas de economizar com foco em seu objetivo.

Mantenha uma reserva de emergência

Imprevistos podem acontecer com qualquer pessoa, e você já reparou que eles geralmente surgem no pior momento? O carro quebra, um eletrodoméstico queima, alguém da família fica doente, e, geralmente, quando não podemos gastar, o que, muitas vezes, leva-nos a assumir novas dívidas.

Para que isso não aconteça, é importante manter uma reserva de emergência. Esse é o valor que precisa ficar guardado em uma poupança, por exemplo, para que seja fácil de acessar quando for necessário. Todos os meses, procure reservar uma certa quantia para aumentar o montante economizado, e seja disciplinado para usá-lo apenas se for necessário.

Evite gastos supérfluos

Durante um mês, se você fizer o registro das suas movimentações financeiras, conseguirá identificar onde estão os seus gastos supérfluos. São aqueles que não eram, de fato, necessários e demandaram um valor que poderia ter sido economizado e mais bem investido em outra coisa.

Se você somar o valor de todos os supérfluos, poderá levar um susto vendo o impacto deles em suas finanças. Então, procure evitar esse tipo de gasto para focar suas metas e objetivos, investindo seu dinheiro de uma forma mais inteligente e que trará maiores benefícios para você e sua família.

Planeje suas compras

Ao criar o seu controle mensal, você saberá qual é o valor que sobra para investir ou comprar aquilo que você quer. É com base nesse valor que deve planejar as suas próximas compras para que não precise fazer dívidas.

Mesmo para comprar uma televisão, um celular ou um sapato novo, é importante que você se programe e dê preferência para os pagamentos à vista. Ainda que precise esperar alguns meses para juntar todo o valor, se não for uma emergência, é mais interessante fazer assim, pois você conseguirá negociar preços e evitar juros.

Se você se dedicar à sua gestão financeira pessoal, conseguirá se livrar das suas dívidas, evitará fazer novas e desfrutará do seu dinheiro melhorando a sua qualidade de vida e também a da sua família. Então, procure ser disciplinado e organizado e mantenha o foco naquilo que deseja para não ver o seu salário ir embora todo mês, sem saber exatamente para onde ele foi.

Gostou dessas dicas? Então, assine a nossa newsletter para ter acesso a outros temas interessantes como esse diretamente pelo seu e-mail!